top of page

20 anos da Província Santa Maria de Los Andes


20 anos concretizando o sonho de Champagnat no Peru, Chile e Bolívia


“Todas as dioceses do mundo entram nos nossos planos” (Carta de Marcelino Champagnat, N° 93. 15 de Fevereiro de 1837). Esta frase contida na carta de Marcelino ao bispo de Grenoble é o ponto de partida para que a missão de evangelização através da educação se espalhe pelo mundo. Começou em 1836 com as missões na Oceânia e a partir daí não cessará. No entanto, esta “política” de fundações fora de França era principalmente dirigida pelo Irmão Teofânio que, como Superior Geral (1883-1907), teve de enfrentar a devastação de um governo anticlerical e das “leis seculares” que chegaram ao ponto de recusar qualquer autorização para ensinar e pregar congregações, obrigando os seus membros a escolher entre o exílio e a secularização (Decreto Combes de 1903).

Muitos Irmãos permaneceram em França e, cumprindo a lei, tiraram as batinas e ensinaram como professores leigos. Enquanto outros migraram e se estabeleceram em lugares onde os municípios, as organizações educativas e a Igreja local exigiram aos Maristas que fundassem novas escolas ou que se encarregassem de outras já criadas.


Origens longínquas: Peru (1909), Chile (1911) e Bolívia (1956)


Um dos países que solicitou a presença dos Irmãos foi o Peru. No início do século XX, a Igreja local tinha muito pouca influência na população e ainda menos na educação, pelo que a fundação de uma escola católica era muito necessária. O Centro da Juventude Católica de Lima, juntamente com o apoio financeiro de várias “matrizes respeitáveis e cidadãos dignos”, conseguiu fundar a “Escola Comercial Inglesa” em Callao no início de 1907 (em 1913 mudou o seu nome para “Colégio São José” e mais tarde ficou conhecida como “Escola Marista São José”). Os Irmãos Maristas foram convidados a apoiar a educação católica desta nova escola. O pedido de 1908, dirigido ao Superior Geral, Irmão Stratonique, resultou no envio de quatro Irmãos: Marie-Charles, Modeste, Arthur, Gédéon e Placido Luis, que passaram cinco meses em Nova Iorque e depois, a 15 de Janeiro de 1909, partiram para Callao. Finalmente, a 15 de Março de 1909, começou a escola e chegaram 50 alunos (Anales del Callao 1° Tomo 1909-1941). Assim começou a viagem dos Maristas no Peru.


Os Irmãos chegaram ao Chile apenas dois anos mais tarde. No entanto, a viagem começou em 1910, quando Monsenhor Martín Rücker foi nomeado Vigário Geral do Arcebispado de Santiago pelo Arcebispo Ignacio González Eyzaguirre. Nesta posição fez algumas viagens à Europa onde se encontrou com o Irmão Adventinus em Valência (Espanha) e com os Superiores em Grugliasco (Itália). No seu regresso, começou a tomar medidas para trazer esta congregação de ensino para o Chile. Josep Moubon (Visitador dos Assumcionistas) para organizar as condições e os detalhes administrativos entre o Arcebispado de Santiago e a Congregação dos Irmãos Maristas. Uma vez finalizados os detalhes, a 27 de Fevereiro de 1911, os primeiros quatro irmãos chegaram à cidade de Santa Rosa de Los Andes: Adventinus, Adulfo, Jacinto e José Andrónico. Aí fundaram a primeira escola marista, o Instituto Chacabuco.


Depois destas duas primeiras chegadas, passariam quase 45 anos até que a Bolívia tivesse uma presença marista. Nesta ocasião, os passos foram dados directamente pelo Vigário Apostólico de Chiquitos (Bolívia), D. José Rosenhammer, que chegou à Casa Mãe de Sain-Genis-Laval em 1954, na esperança de obter Irmãos para o seu pobre Vicariato. Ele não embelezou a situação: era um sector pobre em recursos, em educadores religiosos e também em elementos da vida cristã. Sem lhe dar uma resposta definitiva, os Superiores deram-lhe a entender que o seu pedido seria visto favoravelmente. O Irmão Leónidas, Superior Geral dos Maristas (1946-1958), por ocasião do retiro dos Superiores, estendeu o convite feito pelo Bispo Rosenhammer aos quatro Irmãos Provinciais de Espanha, e o Irmão Ramón Sebastián (Demetrio Alzaga), Provincial de Bética, aceitou esta “Missão”. Finalmente, a 8 de Dezembro de 1956, o irmão Pedro Lacunza chegou a Roboré de Madrid para preparar as condições para a primeira fundação marista na Bolívia. Foi assim que, em Fevereiro de 1957, o “Colegio Marista de los Sagrados Corazones” abriu as suas portas. Mais tarde, a 22 de Março de 1957, chegaram os irmãos Agustín (Ángel Redondo Mariscal) e Apolinar (Pedro Alegre Puente), completando assim a primeira Comunidade Marista na Bolívia.


Discernimento do Instituto: reestruturação e refundação.


Quando falamos de reestruturação, a nossa Província é bastante perita neste assunto, especialmente nas nossas origens: no Peru e no Chile este processo foi vivido de forma semelhante e mesmo conjunta. Em primeiro lugar, dependiam directamente da Grande Província de Espanha, desde a sua fundação até 1914, quando a unidade administrativa foi criada: o Distrito do Chile-Peru. A situação, em termos económicos e administrativos, não era muito diferente da situação anterior. Isto continuou até 1934, quando o Distrito do Chile-Peru, por decisão do Conselho Geral, alcançou a sua independência em matéria de gestão económica e educacional. Este continuou a ser o caso até 1946, quando ambos os países decidiram separar os seus caminhos, dando lugar a novas estruturas, criando assim as províncias do Chile e do Peru, respectivamente. Na Bolívia, a situação era semelhante. Desde a sua chegada em 1956, a Província de Bética, catalogou a sua presença como Missão Bolívia. Foi assim que permaneceram até 1970, quando “institucionalizaram” ainda mais o seu trabalho educativo e evangelizador, com o Distrito da Bolívia. No entanto, as condições económicas e administrativas eram semelhantes às do período anterior, uma vez que se manteve a “interdependência” com a província fundadora.


No entanto, o discernimento e a sua materialização nas múltiplas experiências educativas e pastorais vieram da ênfase dada pelo XIX Capítulo Geral (1993) à “solidariedade” como base para a renovação e revitalização do Instituto. Isto exigiu dos Irmãos uma conversão radical de mentalidade e comportamento que enfatizava a orientação para os pobres. Foi precisamente neste Capítulo que se propôs que esta conversão, orientada para as raízes do Instituto, fosse uma verdadeira “refundação” e, como tal, se materializasse também numa “reestruturação”, a nível carismático e administrativo.


Coube ao Irmão Benito Arbués e ao seu Conselho Geral levar por diante este processo de reestruturação das unidades administrativas do Instituto, que foi orientado por dois princípios: vitalidade (maior vida e renovação) e viabilidade (opções realistas e menos dispendiosas). Em Julho de 1999, o Irmão Superior Geral comunicou aos Irmãos do Cone Sul como era urgente iniciar esta reestruturação. Numa reunião em Chosica, Peru (2000), foi fixada a data da reestruturação e, noutra reunião em Santa Cruz de la Sierra, Bolívia (2001), foi determinado o nome da nova Província, selando a unificação dos três países.

Nasce uma nova Unidade Administrativa: Província de Santa Maria de los Andes (2002):

A inauguração oficial da nova Província foi marcada para 15 de Agosto de 2002, festa da Assunção da Virgem Maria e festa patronal da Congregação. Com o encerramento do Primeiro Capítulo Provincial, que teve lugar entre 12 e 17 de Agosto de 2002 em Santiago do Chile, começou a vida desta nova unidade administrativa, a Província de Santa María de los Andes. No mesmo dia, tomou posse o primeiro Provincial, o Irmão Pedro Marcos, e o seu Conselho era composto pelos Irmãos Antonio Peralta (vice-provincial) e Saturnino Alonso (representando a Bolívia), Mariano Varona e Isidro Azpeleta (representando o Chile) e Pablo González e Barsen García (representando o Peru).


Em Julho de 2005, em Chosica (Peru), teve lugar o II° Capítulo Provincial, cujo lema era “com esperança, construindo a unidade”. Neste espaço, foi realizada a avaliação dos três primeiros anos da Província e foram estabelecidas as seguintes Prioridades para os três anos seguintes (2005-2008):


1. irmãos e leigos centrados em Jesus Cristo, no estilo de Maria e Champagnat, cultivando a espiritualidade apostólica marista. 2. Irmãos e leigos que salientam a dimensão comunitária de acordo com a sua própria vocação na chave da casa, simplicidade, abertura e escola de fé. 3. Irmãos e leigos empenhados na mesma missão evangelizadora, presentes entre crianças e jovens, nas escolas e outros ambientes educativos, optando de preferência pelos mais pobres (em contínuo discernimento) e empenhados no despertar de vocações. 4. Irmãos e leigos que promovem a integração dos três sectores e crescem em comunhão, como um sinal profético, procurando a unidade na diversidade.


Estes foram os inícios da presença marista no Peru, Chile e Bolívia, ou seja, as fundações sobre as quais a Província de Santa Maria de los Andes é construída e mantida actualmente. Vinte anos de reencarnação do carisma nesta parte do mundo, vinte anos de reconhecimento das contribuições de uma história passada que torna possível a renovação, vinte anos de procura e promoção em cada uma das nossas presenças, espaços de fraternidade, onde partilhamos vida, fé e a missão de evangelizar crianças, adolescentes e jovens através da educação, dando prioridade àqueles que se encontram em situações de pobreza e vulnerabilidade. Mas são também 20 anos de omissões e erros que assumimos com uma atitude orante de perdão, responsabilidade e empenho na promoção e defesa feroz dos direitos das crianças e dos jovens. Esta história, como a vida, continua a ser construída e renovada a cada pensamento, sonho, projecto e acção que realizamos no seguimento de Cristo ao estilo de Maria; estamos a revitalizar, com viabilidade, vitalidade e esperança, a união de três países que, desde 2002, decidiram caminhar juntos, para melhor realizar o sonho de Champagnat no mundo de hoje, formando a partir desse dia a nossa Província de Santa Maria de los Andes.

Comments


bottom of page